domingo, 22 de fevereiro de 2015

A teoria da aprendizagem significativa de Ausubel

"O fator isolado mais importante que influencia o aprendizado é aquilo que o aprendiz já conhece". Ausubel
A teoria

            A teoria de Ausubel focaliza primordialmente a aprendizagem cognitiva. Como representante do cognitivismo ele propõe uma explicação teórica do processo de aprendizagem, apesar de reconhecer a importância da experiência afetiva. Segundo seus estudos aprender significativamente significa organizar e integrar todo material na estrutura cognitiva. 
            Ele apoia que os conhecimentos prévios dos alunos devem ser valorizados, para que possam construir estruturas mentais o que caracterizará uma aprendizagem prazerosa e eficaz. A aprendizagem é muito mais expressiva à medida que o novo conteúdo é incorporado às estruturas de conhecimento de um aluno e adquire significado para ele a partir da relação com seu conhecimento prévio. Contrariamente, ela se torna mecânica ou repetitiva, uma vez que se produziu menos essa incorporação e atribuição de significado, e o novo conteúdo passa a ser armazenado isoladamente ou por meio de associações arbitrárias na estrutura cognitiva.
            Dessa maneira a nova informação interage em comum à estrutura de conhecimento específico, que Ausubel chama de conceito “subsunçor” do inglês “subsumer”. Caso um conteúdo escolar a ser aprendido não esteja associado a algo já conhecido, ocorre o que Ausubel chama de aprendizagem mecânica, ou seja, quando as novas informações são aprendidas sem interagir com conceitos relevantes existentes na estrutura cognitiva. Portanto, o estudante passa a decorar fórmulas, leis, mas as esquece logo após a avaliação, ou seja, não há aprendizagem significativa.

Aprendizagem significativa
           
            Pensada para o contexto escolar, a teoria de Ausubel leva em conta a experiência do sujeito e destaca o papel dos docentes na proposição de situações que favoreçam a aprendizagem. Para ele, há duas condições para que a aprendizagem significativa ocorra: o conteúdo a ser ensinado deve ser potencialmente revelador e o estudante precisa estar disposto a relacionar o material de maneira consistente e não arbitrária. Infelizmente, em geral essas condições são ignoradas na escola.
            Ensinar sem considerar o que o estudante já sabe, é um esforço vão, pois o novo conhecimento não tem onde se ancorar. No entanto, há outro requisito, que está relacionado ao desafio diário de tornar a escola um ambiente motivador. Um educador pode preparar a melhor atividade sobre um determinado tema, mas é o estudante que determina se houve ou não a compreensão do tema. Uma aula divertida será ineficaz se ela for encaminhada de forma automática, sem possibilitar a reflexão e a negociação de significados. Em contraste a aprendizagem significativa, Ausubel define a aprendizagem mecânica (ou automática).
           
·      Subsunçor
            Consiste na interação de uma nova informação com uma estrutura de conhecimento específica já conhecida.

·      Estrutura cognitiva
Trata-se de uma estrutura hierárquica de conceitos que são representações de experiências sensoriais do indivíduo.

·      Aprendizagem mecânica
Versa na aprendizagem de novas informações com pouca ou nenhuma interação com conceitos relevantes existentes na estrutura cognitiva, Sendo assim a nova informação é armazenada de forma arbitrária sem ligar-se a conceitos subsunçores específicos.

·      De onde vêem os subsunçores?

            Os subsunçores podem ser adquirirdos durante a aprendizagem mecânica onde são introduzidos alguns elementos e conceitos importantes para que sirvam de subsunçores  que serão utilizados como bases para a aprendizagem significativa. Outra hipótese é de que durante a infância ocorre a formação de conceitos que envolve a generalização de interesses específicos. Depois disso a maioria dos novos conceitos são adquiridos por assimilação, diferenciação progressiva e reconciliação integrativa. Ausubel recomenda o usos dos organizadores prévios como ancora para a nova aprendizagem para levar ao desenvolvimentos de subsunçores que facilitarão as aprendizagens subsequentes.

Condições de ocorrência da aprendizagem significativa
           
            Para que a aprendizagem significativa ocorra é preciso entender o processo de transformação do conhecimento, em vez de comportamento em um sentido externo e observável, e reconhecer a importância que os processos mentais têm nesse desenvolvimento.

·      Material potencialmente significativo

            O conteúdo escolar a ser estudado tem que ser potencialmente significativo, ou seja, ele tem que ser lógica e psicologicamente significativo: o significado lógico depende somente da natureza do conteúdo, e o significado psicológico é uma experiência que cada indivíduo tem. Cada aprendiz faz uma filtragem dos conteúdos que têm significado ou não para si próprio.

·      Disposição para relacionar significativamente o novo material à estrutura cognitiva

            O estudante precisa ter uma disposição para aprender: se o indivíduo quiser memorizar o conteúdo arbitrária e literalmente, então esta aprendizagem será mecânica e servirá apenas para resolver alguma avaliação.

·      Evidência da aprendizagem significativa

            As proposições de Ausubel consideram que os indivíduos apresentam uma organização cognitiva interna repousada em conhecimentos de caráter conceitual. Sua complexidade depende muito mais das relações que esses conceitos estabelecem em si que do número de conceitos presentes. Entende-se que essas relações têm um caráter hierárquico, de maneira que a estrutura cognitiva é compreendida, fundamentalmente, como uma rede de conceitos organizados de modo hierárquico de acordo com o grau de abstração e de generalização. A partir dessa especificação, a aprendizagem escolar passa a caracterizar-se globalmente como a assimilação a essa rede de determinados corpos de conhecimentos conceituais, selecionados socialmente como relevantes e organizados nas áreas de conhecimento.

Tipos de aprendizagem significativa
  •  representacional: é basicamente uma associação simbólica primária. Atribuindo significados a símbolos, como por exemplo, reconhecer o significado da letra F na 2ª Lei de Newton.
  • de conceitos: é uma extensão da representacional, mas num nível mais abrangente e abstrato, como o aplicar a 2ª Lei de Newton em um exercício, por exemplo.
  •  aprendizagem proposicional: é o inverso da representacional. Requer conhecimento prévio dos conceitos e símbolos mas seu objetivo é promover uma compreensão sobre uma proposição através da soma de conceitos mais ou menos abstratos. Por exemplo o entendimento sobre aplicações cotidianas da 2ª Lei de Newton.


O processo de assimilação
     
      A assimilação de conhecimentos ocorre sempre que uma nova informação interage com outra existente na estrutura cognitiva, mas não com ela como um todo; o processo contínuo da aprendizagem significativa acontece apenas com a integração de conceitos relevantes.




            Após esse estágio ocorre a assimilação obliteradora, onde o conceito recém assimilado que antes podia ser desassociado, passa a integrar o subsunçor definitivamente não permitindo mais uma dissociação.
     
Aprendizagens subordinada, superordenada e combinatória

  • Subordinada: ocorre quando a nova informação é assimilada pelo subsunçor alterando-o definitivamente.
  • Superordenada: ocorre quando a informação nova é ampla demais para ser assimilada por qualquer subsunçor existente. Trata-se portanto de uma ideia mais abrangente que os subsunçores e passa a incorporá-los.
  • Combinatória: ocorre quando a informação nova não guarda uma relação de subordinação ou superordenação com proposições ou conceitos específicos, e sim, com conteúdo amplo, relevante de modo geral.

Diferenciação progressiva e reconciliação integrativa
            A reconhecer que um novo conceito ou proposição é compreendido por subordinação podemos inferir que o conteúdo a ser apresentado aos estudantes deve ser programado de maneira que, os conceitos mais gerais da disciplina ou conteúdo, sejam apresentados em primeiro lugar, e, pouco a pouco, introduzidos os conceitos mais específicos.
            O planejamento do material a ser apresentado ao estudante deve ser feito de maneira que haja exploração de relações entre ideias, caracterizando semelhanças e diferenças entre conceitos conexos. A  este processo é dado o nome de Reconciliação Integrativa.

O processo instrucional

·      Considerações relativas à estrutura cognitiva; como pode ser influenciada

            A estrutura cognitiva do aprendiz no momento da aprendizagem é o primeiro e o mais importante fator cognitivo a ser apreciado nesta estrutura e pode ser influenciada:

ü  substantivamente: trata-se da apresentação de conceitos e princípios unificadores e inclusivos;
ü  programaticamente: ocorre por meio do emprego de métodos adequados de apresentação do conteúdo e utilização de princípios programáticos apropriados na organização sequencial da matéria de ensino;

·      A organização dos conteúdos

            Trata-se de uma estrutura hierárquica na qual as ideias mais abrangentes estão no topo e progressivamente, incorporam proposições, conceitos e fatos menos inclusivos e mais diferenciados.

·      O papel do professor na facilitação da aprendizagem significativa: tarefas fundamentais

            “Uma vez que o problema organizacional substantivo (identificação dos conceitos organizadores básicos de uma dada disciplina) está resolvido, a atenção pode ser dirigida para os problemas organizacionais programáticos envolvidos na apresentação e organização sequencial das unidades componentes. Aqui hipotetiza-se, vários príncipios relativos à programação eficiente do conteúdo são aplicáveis, independentemente da área de conhecimento.” (Ausubel)

Sendo assim é papel do professor:

1.     Identificar a estrutura conceitual e proposicional da matéria de ensino, ou seja, reconhecer os conceitos e princípios unificadores, inclusivos, com maior poder explanatório de propriedades integradoras, e organiza-lo hierarquicamente de modo que, progressivamente, abranjam os menos inclusivos até chegar aos exemplos e dados específicos.
2.     Identificar quais os subsunçores relevantes à aprendizagem do conteúdo a ser ensinado, que o aluno deveria ter em sua estrutura cognitiva para poder aprender significativamente este conteúdo.
3.     Diagnosticar aquilo que o aluno já sabe, ou seja, determinar, dentre os subsunçores especificadamente relevantes, quais os que estão disponíveis na estrutura cognitiva do aluno
4.     Ensinar utilizando recursos e princípios que facilitem a aquisição da estrutura conceitual da matéria de ensino de uma maneira significativa. A tarefa do professor aqui é a de auxiliar o aluno a assimilar a estrutura da matéria de ensino e organizar sua própria estrutura cognitiva nessa área de conhecimento, por meio da aquisição de significados claros, estáveis e transferíveis. É óbvio que, para isso, deve  levar em conta não só a estrutura da matéria de ensino e organizar sua própria estrutura do aluno no início da instrução e adotar providencias adequadas, se a  mesma na for adequada.

“ ... o fator mais importante influenciando a aprendizagem é aquilo que o aluno já sabe; determine isso e ensine-o de acordo” (Ausubel)

A teoria – síntese

            Segundo Ausubel, a aprendizagem é um processo que envolve o intercâmbio da nova informação abordada com a estrutura cognitiva do aluno. Portanto, o conhecimento prévio que o indivíduo possui deve ser utilizado como ponto de partida para um novo conhecimento.
            A aprendizagem ocorre quando a nova informação aporta em conceitos ou proposições relevantes, preexistentes na estrutura cognitiva do aprendiz, ou seja, quando este aluno encontra significado naquilo que lhe é ensinado. Assim, são necessários pontos de ancoragem, ou subsunçores de aprendizagem, que irão relacionar o novo com o que o aluno já sabe.
            É necessário que o aluno encontre sentido no que está aprendendo, dessa forma a teoria cognitiva de Ausubel incentiva o uso de organizadores prévios que sirvam de âncora para a nova aprendizagem. É fundamental que o estudante seja capaz de relacionar entre si os conceitos aprendidos, de forma a tornar significativa a sua aprendizagem.
            A definição de conteúdos deve ser feita por meio de uma série hierárquica, sugerida após uma avaliação do conhecimento prévio que o estudante apresenta sobre o tema a ser abordado. Materiais introdutórios devem ser apresentados antes do próprio material a ser aprendido e as “Pontes Cognitivas” são elos que devem ser estabelecidos entre o que o aprendiz já sabe e o que ele deve aprender.
            Como defensor do construtivismo, para Ausubel, o aluno é o principal agente construtor de sua aprendizagem. Sendo assim, surgirão conflitos cognitivos quando houver contraposição de esquemas prévios e conceitos novos. Não somente a nova informação, mas também o antigo conceito acabam sofrendo modificações pela interação entre ambos.

Fontes:
Aprendizagem significativa: um conceito subjacente.  Acesso em Novembro 19, 2014, Disponível no 

Ausubel - processo instrucional. Acesso em Novembro 24, 2014





Teoria da aprendizagem: Ausubel. Acesso em Novembro 17, 2014